Portugal na CEE

Portugal assinou, a 12 de junho de 1985, o tratado de adesão à Comunidade Económica Europeia. A cerimónia, num engalanado Claustro do Mosteiro dos Jerónimos, foi o culminar de um processo que se iniciou oito anos antes, em 1977.

Passaram 37 anos. Entre o regresso dos Santos Populares e a comemoração do Jubileu de Platina da Monarca de um país estrangeiro, sobrou naturalmente pouco tempo para esta data. Deliramos com momentos protocolares cor-de-rosa de um regime que há muito despachámos, guardamos um rodapé para um dos momentos mais transformadores do Portugal contemporâneo.

Na política do dia-a-dia, as coisas são diferentes. Basta olhar para a orgânica do atual Governo da República, com os Assuntos Europeus na dependência direta do Primeiro-Ministro. Se apenas por interesse nacional ou também pessoal, o tempo o dirá…

Num website da União Europeia1, são elencadas as suas principais realizações:

um continente em paz;

a liberdade, para os cidadãos, de viverem, estudarem ou trabalharem em qualquer parte da UE;

o maior mercado único do mundo;

assistência e ajuda ao desenvolvimento para milhões de pessoas em todo o mundo;

Vamos começando do último para o primeiro. A União Europeia é, de facto, um dos faróis do mundo em termos de direitos humanos, ainda que por vezes seletiva e com vocalidade ambivalente. Relativamente aos Estados-Membro, emana por vezes diretrizes que demorariam muito mais tempo a ser implementadas (ou não seriam de todo). Não precisamos de recuar muito para nos recordarmos de duas, bastante mediáticas e com polémica à mistura- a Lei dos Metadados e o Regulamento Geral de Proteção de Dados.

A União Europeia é também responsável por um dos programas mais bem-sucedidos de sempre, o ERASMUS, que permitiu a imensos jovens portugueses conhecer novas realidades e alargar horizontes. É uma iniciativa que também reforça o sentimento europeu, promove a tolerância entre os povos e o intercâmbio de experiências. Na verdade, a livre circulação que a União Europeia trouxe terá sido profundamente transformadora, num país isolado, periférico pelo lastro acumulado em quatro décadas de uma ditadura conservadora e repressiva.

Todavia, não é hoje “um continente em paz”. A invasão russa da Ucrânia assustou os europeus e trouxe o espetro da guerra de novo para o velho continente. Ainda assim, não se pode deixar de assinalar que a Rússia, que partilha fronteira com inúmeros países, alguns da UE, invadiu um país não Estado-Membro. Na mesma linha, percebe-se a vontade do mesmo em aderir a este projeto.

A nível municipal, o impacto da União Europeia, sobretudo dos seus fundos, é também muitíssimo visível. As placas com doze estrelas douradas a formar um círculo sobre o fundo azul escuro são incontáveis pelo nosso concelho fora, havendo poucos investimentos públicos de média e grande envergadura que se concretizem sem o apoio da União.

Em contrapartida, os municípios, como poder político de proximidade, podem fazer mais pela integração e visibilidade europeias junto dos seus cidadãos. Por exemplo, no caso particular da Guarda, como exposto no Programa Eleitoral do Pela Guarda e já realizado no passado, deve apostar-se na partilha de experiências internacionais e em intercâmbios culturais durante a juventude, enquanto ações potenciadoras do desenvolvimento pessoal de cada jovem e do reforço da tolerância, do espírito europeu e do multiculturalismo.

Para além disso, decorre entre 23 de abril e 19 de junho um programa de divulgação europeia, “Parlamento Europeu à sua Porta” em sete cidade (seis capitais de distrito): Braga, Vila Real, Porto, Viseu, Coimbra, Évora e Portimão. A Guarda não está incluída no roteiro, mas teria sido uma ação dinâmica e de enorme mais valia para a cidade, o concelho e o distrito. Esperemos que assim suceda numa futura edição.

Cantavam os G.N.R na música “Portugal na CEE” que “E agora, que já lá estamos/ Vamos ter tudo aquilo que desejamos/ Um PA p’ras vozes e uma Fender/ Oh boy, é tão bom estar na CEE”. Não temos certamente tudo o que desejamos, mas estamos bem melhor.

1https://european-union.europa.eu/priorities-and-actions/achievements_pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close