Presidente da Câmara da Covilhã e ex-presidente da Assembleia acusados de prevaricação

O Ministério Público (MP) acusou o presidente da Câmara Municipal da Covilhã e o ex-presidente da Assembleia Municipal pelo crime de prevaricação e pede a perda de mandato para o actual autarca, em caso de condenação definitiva.
No despacho de acusação a que a agência Lusa teve acesso, o MP refere que os dois arguidos – Vítor Pereira e Manuel Santos Silva (eleitos pelo PS) – cometeram, em “co-autoria material e de forma consumada, um crime de prevaricação de titular de cargo político, em concurso aparente com um crime de participação económica”, quando em conjunto estabeleceram um acordo que pôs fim a outro processo judicial em que a mulher e a cunhada de Manuel Santos Silva já tinham sido condenadas.
Segundo a acusação, a autarquia aceitou receber das duas envolvidas um prédio avaliado em 119 mil euros e mais uma verba monetária de 13 mil euros, apesar de estas terem sido condenadas a pagar mais do dobro desse valor.
Datado de 17 de Setembro de 2013, o acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra condenava-as a pagarem a este município do distrito de Castelo Branco uma verba de quase 265 mil euros, acrescidas de juros de cerca de 75 mil euros, que à data do acordo já rondavam os 100 mil euros.
As condenações em causa estavam relacionadas com um processo de loteamento que foi levado a cabo pelas familiares do ex-presidente da Assembleia Municipal e no âmbito do qual se obrigavam a ceder à autarquia, bem como a construir em primeiro lugar, um lote para a instalação da junta de freguesia local e de outras instituições de interesse público.
Sem que tal tenha sido realizado, a Câmara da Covilhã, então liderada por Carlos Pinto (eleito pelo PSD), intentou uma ação judicial que ganhou, quer na primeira instância, quer no Tribunal da Relação de Coimbra.
Todavia, sustenta a acusação, depois de terem sido eleitos nas autárquicas de 2013, Vítor Pereira e Manuel Santos Silva optaram por suspender a ação que estava no Supremo Tribunal de Justiça e seguiram para um acordo extrajudicial, que viria a penalizar a autarquia.
Ressalvando que Manuel Santos Silva deixou de ser mencionado formalmente como representante das proprietárias, o despacho da acusação também salienta que o então presidente da Assembleia Municipal acompanhou todo o processo e que actuou de forma concertada para o desfecho em causa.
“Procederam pois os dois arguidos em conjugação de esforços e intenções, de forma concertada”, é referido na acusação, que também descreve passo por passo cada procedimento, desde as avaliações dos terrenos à correspondência trocada com a advogada do processo e à forma como o acordo foi aprovado em reunião do executivo.
O MP refere que a decisão representa uma “clara violação dos princípios de isenção, imparcialidade, defesa de interesse público e de boa administração dos dinheiros públicos”.
Por outro lado, salienta que, ao estabelecer o acordo, Vítor Pereira também não exigiu qualquer contrapartida negocial para que as intervenientes no processo desistissem de uma acção judicial que, entretanto, também tinham interposto contra o município e na qual reclamam o pagamento de uma quantia de quase 400 mil euros.
Lembrando que Vítor Pereira foi reeleito nas eleições de Outubro deste ano, e que os actos descritos “foram praticados no exercício de mandato autárquico”, o MP pede a perda do mandato para o autarca, isto em caso de condenação definitiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close