Presidente da Câmara da Guarda disse que as rotundas da cidade vão ser «pontos de atracção»

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, anunciou a semana passada a requalificação de mais duas rotundas da cidade. O autarca já disse querer fazer das rotundas da cidade «pontos de atracção». As duas primeiras foram requalificadas com projectos de técnicos da autarquia, para as duas seguintes a Câmara encomen-dou as obras a dois escultores. As rotundas na Guarda sempre deram que falar.

uando foi inaugurada a Rotunda dos Cinco F’s, em Junho de 2014, o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, disse que as rotundas da cidade iriam ser «pontos de atracção». Na altura, o autarca considerava-se «globalmente satisfeito» com o resultado de um concurso de ideias lançado internamente aos técnicos da Câmara Municipal e disse querer usar os projectos nas rotundas da cidade. O desafio tinha sido lançado pouco tempo depois de ter chegado à presidência da Câmara da Guarda. «A Guarda vai mudar paisagisticamente», sublinhou ao dar conhecimento da intenção da autarquia em dar uma nova imagem às rotundas.
A primeira obra foi inaugurada durante as comemorações do 10 de Junho pelo então presidente da República, Cavaco Silva. «Começámos pela homenagem à Guarda colocando de forma muito simples os F’s da cidade», explicou o autarca, adiantando a intenção de ir fazendo as restantes obras ao longo do mandato. Álvaro Amaro considerou que a inauguração daquela obra se enquadrava na aposta da autarquia que é «fazer aumentar a auto-estima», «aumentar o poder de atracção» e estimular a economia local».
Em Dezembro seria inaugurada a segunda rotunda do mandato. Contrariamente ao que aconteceu com a primeira rotunda, desta vez a autarquia divulgou os autores do projecto da estrutura colocada sobre a rotunda que serve de acesso ao Bairro da Luz. Os autores são o designer Sérgio Currais e o arquitecto Nuno Morais. A placa giratória foi construída para resolver os problemas de tráfego naquele entroncamento, passando a Avenida Cidade de Bejar a ter quatro faixas. A ligação ao Bairro à rua Cidade de Wattrelos também foi requalificada. A Câmara disse ter gasto cerca de 400 mil euros.
A autoria da instalação da nova rotunda foi divulgada depois do presidente da Câmara da Guarda ter sido questionado pelo TB numa entrevista porque razão é que não tinham sido divulgados os autores da estrutura colocada na rotunda dos cinco F’s. O autarca argumentou que «nunca» se tinha lembrado, mas acrescentou que «se não tem autor é porque é do município».
Meio ano depois, a Junho de 2015, a Câmara anuncia mais um projecto numa rotunda. A polémica estala quando são conhecidos os valores da obra. Os 300 mil euros apontados para o custo do projecto mereceu reparos e críticas também na Assembleia Municipal da parte dos deputados do Bloco de Esquerda que entendem que o dinheiro deveria ser aplicado para outros fins. O autarca argumentou que a obra ia «fazer jus à história da Guarda» e que achava «lindíssima a perspectiva que foi sugerida», assegurando que ia tudo ser «feito com conta, peso e medida». «Acha mesmo que iamos gastar 300 mil euros na requalificação de uma rotunda», ripostou o autarca. A obra com a escultura de Pedro Figueiredo, escultou natural da Guarda, foi inaugurada a 27 de Novembro do ano passado, durante as comemorações do 816º aniversário da cidade.
A próxima rotunda a ser inaugurada será a do Rio Diz, com uma escultura de Dora Pragana, também natural da Guarda. Vai custar 92 mil euros. O executivo aprovou o ajuste directo na última reunião de Câmara com o voto contra dos vereadores do PS, que acusam a autarquia de «esbanjar dinheiro» com as rotundas.

Rotundas que dão que falar
A construção de rotundas na Guarda tem tido algumas polémicas. A rotunda dos F’s, baptizada assim pelo actual executivo, ainda foi construída no mandato de Joaquim Valente. Suscitou forte polémica por obrigar à demolição do Quiosque da Ji Jaquina, um estabelecimento que dava nome aquela zona da cidade. A decisão da Câmara da Guarda em demolir o quiosque motivou a criação de um movimento na rede social facebook pedindo um “Um novo Quiosque da Ti Jaquina”. Joaquina Escada geria o quiosque desde 1976.
Já antes disso, a rotunda da Alameda inaugurada em 2008 tinha dado azo a inúmeros comentários na cidade tendo sido baptizada de rotunda do penso higiénico pela forma da sua construção. Para a história da Guarda ficará também a rotunda do G, inaugurada em finais de 2000. A escultura é de Lourdes Borges e custou na altura à Câmara 12 mil contos. Para a então presidente da Câmara da Guarda, Maria do Carmo Borges, aquele G era de Guarda e de uma imagem feminina, mas houve quem lhe chamasse “monstro do Lago Ness” e até dinoussauro. A obra que a autarca fez votos na inauguração que havia de durar 800 anos cedeu 11 dias depois na sequência do mau tempo. Foi preciso um ano para que o G voltasse a ganhar forma na rotunda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close