Presidente do Politécnico da Guarda descontente com novo ministro por manter cortes aos orçamentos das instituições

ministro da Ciência e do Ensino Superior, Manuel Heitor, transmitiu aos dirigentes das universidades e dos politécnicos que o «esforço de contenção orçamental terá de continuar». O que significa que não deverá haver aumento das verbas atribuídas às instituições. O “plafond” orçamental para as instituições de ensino superior em 2016 vai ser exactamente igual ao de 2015.
A notícia deixou descontente o presidente do Instituto Politécnico da Guarda, Constantino Rei, uma vez que o actual orçamento, que sofreu um corte de 500 mil euros, é curto e tem criado algumas dificuldades à instituição. Em declarações à Radio F, Constantino Rei revelou que o Politécnico teve dificuldades em pagar os salários de Dezembro aos professores e funcionários. Só foi possível cumprir os compromissos porque houve um reforço financeiro atribuído pelo anterior governo após vários alertas para a gravidade da situação.
As universidades deverão receber 702 milhões de euros, o que corresponde ao orçamento inicial de 2015 mais as reposições. Os institutos politécnicos deverão receber 297 milhões de euros. O presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Politécnicos, Joaquim Mourato, admite que as instituições necessitavam «de pelo menos mais cinco milhões para que o plafond fosse suficiente para todas as instituições». Por não ser possível fazer reforços orçamentais, tal como aconteceu no ano passado, a tutela decidiu criar uma equipa de controlo financeiro, em parceria com o Instituto de Gestão Financeira e com representantes do CCISP e do CRUP, que deverá reunir já este mês, para acompanhar as instituições em dificuldades.
O ministro terá reconhecido nas reuniões que manteve a semana passada com os membros do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) e com os elementos do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores que o actual orçamento «não o satisfaz», prometendo que em 2017 poderá haver melhores notícias. O governo pretende definir o orçamento anualmente, embora com objectivos plurianuais para que as instituições possam deixar de navegar à vista e planear as suas actividades. O ministro comprometeu-se a criar um grupo de trabalho para preparar essa alteração e a reforçar o apoio social aos estudantes mais carenciados.
O ministro Manuel Heitor, prometeu ainda dar mais autonomia para as universidades e os institutos politécnicos para que possam procurar novas formas de financiamento. «O que queremos é conferir mais autonomia às instituições para lhes dar mais responsabilidade, para terem maior capacidade de atração de receitas, diversificando os fundos e as formas de se financiarem», afirmou, assinalando que o sector «não se financia apenas com fundos nacionais, mas também com fundos europeus e privados», disse após a primeira reunião com os membros do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP). No dia seguinte reuniu com elementos do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP).

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close