Primeira fase das candidaturas ao Ensino Superior decorrem até 10 de Agosto

As candidaturas à primeira fase do concurso de acesso ao Ensino Superior arrancaram na passada Quinta-feira e terminam a 10 de Agosto, com 50.688 vagas disponíveis nas universidades e politécnicos públicos, um ligeiro aumento face a 2015, mas o primeiro em quatro anos.
De acordo com dados disponibilizados pela Direcção-Geral do Ensino Superior (DGES), há mais 133 vagas do que as 50.555 disponibilizadas no ano passado, o que se traduz num aumento ligeiro, distribuído entre várias instituições, mas que contraria uma tendência de queda do número de vagas iniciada em 2012. Há 28.310 vagas (55,9%) no Ensino Universitário e 22.378 vagas (44,1%) no Ensino Politécnico, uma distribuição que mantém a proporção dos últimos anos.
Às vagas do concurso nacional de acesso acrescem 660 vagas para concursos locais, organizados pelas próprias instituições, destinados a colocar candidatos nos cursos superiores artísticos, como música, teatro, dança e cinema.
Há 1.060 cursos disponíveis: 952 licenciaturas de 1.º ciclo, com 42.104 vagas, 101 mestrados integrados, com 8.418 vagas, e sete cursos preparatórios de mestrado integrado, com 166 vagas. Engenharia e Saúde são duas das áreas de estudo que aumentam a oferta de vagas, em 2016, para a primeira fase do concurso de acesso ao Ensino Superior, em comparação com 2015, mas a tendência é para a estabilidade.
As candidaturas arrancaram a 21 de Julho e terminam a 10 de Agosto, devendo ser entregues “online”, no portal da DGES, com os candidatos a poderem autenticar-se com o cartão do cidadão. Os resultados da primeira fase do concurso nacional de acesso são divulgados no dia 12 de Setembro, no portal da DGES, seguindo-se depois uma segunda e terceira fases de candidatura, para os estudantes que não conseguirem colocação na primeira fase.

Engenharia e Saúde entre as áreas que aumentam oferta
Engenharia e Saúde são duas das áreas de estudo que aumentam a oferta de vagas, em 2016, para a primeira fase do concurso de acesso ao Ensino Superior, em comparação com 2015, mas a tendência é para a estabilidade.
De acordo com dados da DGES, as variações na oferta de vagas, por área de estudo, é pouco significativa, fixando-se, regra geral, na ordem das dezenas. É o caso de Engenharia e Técnicas Afins, que tem um aumento de 46 vagas face a 2015, ou da área de Saúde, que disponibiliza mais 60 lugares, em relação ao ano anterior.
Formação de Professores, Ciências Sociais e de Comportamento, Ciências da Vida, Artes e Matemática e Estatística são outros exemplos de áreas de estudo que têm um reforço de vagas para o próximo ano. A área de Serviços Pessoais é aquela que mais cresce, com um aumento de 2.590 vagas, em 2015, para as 2.799, em 2016.
Apesar do aumento de vagas para a área de Engenharia, é a quebra na oferta de lugares em cursos de Engenharia Civil que justifica a quase totalidade da quebra no número de vagas para a área de Arquitectura e Construção, que, das 2.073, passa para 1.972 vagas.
Entre as 101 vagas suprimidas nesta área, 78 foram em cursos de Engenharia Civil. Dez destes cursos, que levam vagas à primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, não tiveram qualquer candidato em 2015, nessa fase do concurso.
A maior quebra na oferta em Engenharia Civil é registada na Universidade de Coimbra, cujo mestrado integrado na Faculdade de Ciências e Tecnologia fechou 45 vagas, abrindo este ano apenas 60.
A quebra na procura por cursos de engenharia tem levantado preocupações nos últimos anos, entre a Ordem dos Engenheiros e as próprias instituições de ensino superior, que temem que o país se venha a ressentir com uma diminuição de diplomados nestas áreas.
Em 2015, no entanto, assistiu-se, na primeira fase, a uma recuperação quer no número de estudantes colocados, quer na procura dos cursos, inclusivamente como primeira opção nas escolhas.
Este ano, entre as áreas que perdem vagas disponíveis face à primeira fase do concurso nacional de acesso de 2015, estão Ciências Empresariais, Direito, Ciências Físicas, Informática e Indústrias Transformadoras.
Numa análise à oferta por distrito ou região autónoma, e numa comparação com o ano anterior, há variações significativas na distribuição de vagas no distrito de Lisboa e de Setúbal, mas que, segundo esclarecimentos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, se devem a alterações na forma como foram contabilizadas as vagas. De acordo com os dados, Lisboa passou de 15.025 vagas, em 2015, para 13.970, em 2016, e Setúbal, de 1.184 vagas, em 2015, para 2.294, em 2016.
A diferença de mais de mil vagas em ambos os casos explica-se pelo facto de, em 2015, a DGES ter contabilizado os lugares disponíveis na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, com instalações em Almada, como sendo vagas do distrito de Lisboa, onde se encontra a sede da universidade. Em 2016, a DGES alterou esta contabilização de vagas como pertencendo ao distrito de Setúbal, onde a faculdade está localizada.
Sobre as vagas disponíveis em 2016, os dados da DGES mostram que este ano há 56 cursos que levam vagas a concurso na primeira fase, que ficaram sem candidatos em 2015, e que totalizam cerca de 1.500 lugares, no ensino superior público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close