Privados abrem Centro Médico no antigo Colégio do Roseiral

Um grupo privado vai construir um centro médico no terreno ocupado pelo antigo Colégio do Roseiral, na Rua Batalha Reis. A fachada do imóvel, entretanto destruído para dar início aos trabalhos, irá ser reconstruída e integrada no novo edifício que terá seis pisos. Trata-se de um investimento de cerca de quatro milhões de euros e que apostará fundamentalmente nos meios complementares de diagnóstico e consultas de várias especialidades. O projecto foi apresentado publicamente na semana passada a pedido do presidente da Câmara da Guarda, como contou o médico e empresário Manuel Simões durante a sessão que decorreu no Café Concerto.
O futuro centro médico, que se estima possa estar concluído no prazo de dois anos, vai agregar os serviços actualmente prestados pela empresa médica que engloba o Centro de Imagiologia CEDIR e a Magnedir. Manuel Simões anunciou que o centro irá criar mais alguns postos de trabalho. No total, contando com os actuais colaboradores, o centro médico poderá dar emprego a cerca de 40 pessoas, sem contar com o pessoal médico.
O promotor do investimento lembrou que a ideia de criar este centro médico já é de 2008. Mas na altura, o processo burocrático na autarquia demorou mais tempo do que estava previsto e só três anos depois é que a obra teve luz verde. Entretanto «a crise imobiliária levou a um compasso de espera» e travou as pretensões dos investidores que só agora decidiram avançar.
Os promotores quiseram preservar «a memória da casa» integrando a fachada na nova construção que estará mais próxima da via pública relativamente ao que existia. Manuel Simões assegura que não houve qualquer imposição para que a fachada fosse preservada.
A nova construção terá seis pisos, dois inferiores de estacionamento; o rés do chão será destinado a espaços comerciais na área da saúde e uma cafetaria e os pisos superiores para os exames e consultas.
Na sessão de apresentação do investimento, o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, elogiou o projecto considerando ser um «homem convertido a uma construção mais moderna» e defendendo que «a cidade tem de evoluir». O autarca evidenciou ainda que o investimento se enquadra na linha defendida pelo município que aposta na requalificação urbana. «Mesmo quem não goste, não ousará dizer que estava melhor como estava», argumentou.
Amaro sublinhou que a regeneração urbana é «o grande desafio para a Guarda» e disse esperar que «a zona do centro histórico comece a acordar como se deita».
O edifício do antigo Colégio do Roseiral foi um projecto do gabinete do arquitecto Raul Lino. Construído nos anos 20 foi sede de variados inquilinos, entre eles a Cruz Vermelha, Clube de Automóvel da Guarda, partido CDS/PP e Clube de Caça e Pesca. Estava ao abandono desde que o último inquilino saiu em 1997, ano em que o Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico procedeu à abertura do processo de instrução relativo à eventual classificação da casa como Imível de Interesse Concelhio. Mas em Outubro de 2000 um incêndio acaba por acentuar a degradação.
EG

cedguarda01 cedguarda03

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close