Projecto Alavanca financiado em pouco mais de 46 mil euros

existência de um «elevado» número de indivíduos com comportamentos aditivos em Seia e Gouveia que ainda não tiveram acesso a tratamento foi um dos factores decisivos na renovação do Projecto Alavanca – eixo de Reinserção Social, na área das dependências naqueles dois concelhos, promovido pela Associação de Beneficência do Sabugueiro (Seia), para o biénio 2016-2018. O financiamento é de «46.200 euros», revela a coordenadora, Marilene Madeira.
«Os pareceres de cada uma das entidades que são no fundo as estruturas que nos orientam e supervisionam, o CRI [Centro de Respostas Integradas] da Guarda e a DICAD [Divisão de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências] de Coimbra, vêm nesse sentido, que de facto as necessidades mantêm-se nos concelhos e que não existe nos concelhos nenhuma entidade, nenhuma resposta a este nível, sendo por isso importante a continuidade da intervenção do Projecto Alavanca», justifica aquela responsável.
O não acesso ao tratamento por parte do «elevado» número dos indivíduos com comportamentos aditivos residentes nos concelhos de Seia e Gouveia dá-se por dois principais motivos: falta de motivação e dificuldades económicas.
Mas em caso de recusa de ajuda pouco há a fazer. «Nós podemos motivar muito, podemos encontrar as soluções para os problemas de transporte, de dinheiro, mas é fundamental que esta motivação seja inicial e primeiramente da parte do utente», afirma a coordenadora.
«O que tentamos sempre fazer primeiramente, e o que é sempre muito difícil, é motivá-los para tratamento. A nossa intervenção prende-se essencialmente na conquista da motivação deles para podermos encaminhá-los para tratamento porque não conseguiremos trabalhar o resto do processo se o utente não se encontrar trabalhado e não se encontrar estável na sua dependência», explica.
Só depois, «analisando cada uma das situações», se avança para a fase seguinte.
«Muitas vezes o que fazemos para colmatar as tais dificuldades económicas é disponibilizarmos a nossa carrinha de serviço, muitas vezes acompanharmos o utente à própria consulta para que ele possa ter acesso a este tipo de tratamento e a este tipo de consultas, que de outra forma não iria conseguir», concretiza Marilene Madeira.

No terreno até Maio de 2018
A Associação de Beneficência do Sabugueiro conta com «46.200 euros» para desenvolver o Projecto Alavanca até Maio de 2018. Nos próximos 24 meses, «iremos apostar em acções que privilegiem o acompanhamento próximo e regular, já que temos mesmo que ser nós a deslocar-nos aos domicílios, porque de outra forma os utentes não têm disponibilidade económica e a nossa rede de transportes públicos é muito fraca». Por outro lado, «vamos tentar privilegiar a reinserção laboral deles, porque são concelhos com desemprego e o desemprego para estas pessoas, com comportamentos aditivos e dependências, ainda é mais acentuado», e «desenvolver acções que dizem respeito à desmistificação do estigma social que ainda está muito associado a estes comportamentos», adianta Marilene Madeira.
O que não será tarefa fácil com a escassez de meios humanos. «Estamos no terreno duas psicólogas e duas assistentes sociais, sendo que ninguém está afecto a 100 por cento. Estamos sedeadas em Seia mas temos intervenção também no concelho de Gouveia. A equipa é efectivamente muito pouca porque este trabalho exige muito, quer em termos de terreno quer de gabinete», argumenta a coordenadora.
Questionada sobre a possibilidade de aumentar a equipa, socorrendo-se do financiamento, responde estar fora de questão. «São dinheiros públicos – isto é uma candidatura a um programa, e eles impõem um limite que tem que ser gerido mediante as possibilidades financeiras que existem», justifica.
«Para já não haverá essa possibilidade embora nós façamos sempre a ressalva que é necessário termos pelo menos uma ou duas pessoas a tempo inteiro para assegurar trabalho que não é tão visível, o de gabinete, mas que para nós é fundamental para termos depois os números de sucesso que pretendemos», conclui Marilene Madeira, que faz parte do projecto desde 2009, data em que começou a funcionar.
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close