Projecto de Carlos Canhoto apoiado pela DGArtes

SOLI. É este o nome do novo projecto de Carlos Canhoto, professor no Conservatório de Música de São José da Guarda, e um dos quatro apoiados pela Direcção-Geral das Artes (DGArtes) na área da música. Candidatado com a designação Música portuguesa para saxofone solo, obteve um apoio de cinco mil euros e deverá estar concluído entre o primeiro e o segundo trimestre de 2018.

Gabriela Marujo
gabmarujo.terrasdabeira@gmpress.pt

«Várias peças para saxofone solo, escritas para mim e por encomenda minha, de vários compositores portugueses representativos da música contemporânea portuguesa.». É desta forma que Carlos Canhoto, professor no Conservatório de Música São José da Guarda, resume o projecto SOLI, um dos quatro apoiados pela Direcção-Geral das Artes (DGArtes) na área da música, e que deverá estar concluído entre o primeiro e o segundo trimestre de 2018.
«Prevejo que o processo, entre a gravação e o CD, esteja disponível possivelmente em Março/Abril, agora depende às vezes dos compositores, pode haver algum atraso na entrega de algumas das peças, e depois há um período de preparação e gravação. Portanto há aqui algumas variáveis que não consigo controlar para já, mas em princípio Março/Abril teremos o CD cá fora e a partir daí será possível disponibilizá-lo online etc, etc…», avança Carlos Canhoto.
Neste momento, «a maior parte deles estão ainda a ser compostos, ainda não estão prontos, depois eu farei-lhe a sua preparação e a sua gravação. Após o CD estar gravado será divulgado, para já, em formato de concerto, naturalmente, e também pela Internet, através dos streamings na Internet».
As plataformas digitais, salienta o saxofonista, é uma das apostas do projecto. «É não só a gravação propriamente das peças novas, portanto à criação que está implícita de nova música, como também uma forma de divulgar para tentar chegar a um público mais alargado possível, e também que através depois das plataformas online, nomeadamente youtube e outras, possa haver uma interacção com um público potencialmente maior», justifica.
Uma das peças encomendadas e escritas para Carlos Canhoto já foi estreada, concretamente no Congresso Europeu de Saxofone, realizado em Julho passado no Porto. Trata-se de uma peça de Eduardo Luís Patriarca, um dos compositores portugueses que o músico define como representativos da música contemporânea portuguesa. Para além deste, foram convidados Amílcar Vasques Dias, José Carlos Sousa, António Chagas Rosa, o senense Jaime Reis e Sara Carvalho.
Questionado se era esperado este apoio da DGArtes, Carlos Canhoto responde sem modéstia: «A candidatura era sólida e bem feita, portanto, preenchia os vários parâmetros que eram exigidos, e que eu sei que a DGArtes exige, nomeadamente na cativação de novos públicos, na inovação, na necessidade do projecto em si».
Quanto aos cinco mil euros, o músico afirma que «são apertados, mas terá que haver uma boa gestão naturalmente de todas as verbas, e creio que será suficiente mas terá que ser bem gerido». «Aliás, uma das coisas que normalmente nestas candidaturas é valorizada é precisamente o saber gerir os fundos, não fazer exurbitâncias em termos de gastos e portanto as coisas vão ter que ser muito bem controladas, mas em princípio será suficiente», conclui.
Carlos Canhoto, natural de Estarreja mas a viver na Guarda há anos, licenciou-se em Saxofone e Música de Câmara no Conservatoire National de Cergy-Pontoise, França, na classe do professor Jean-Yves Fourmeau, com a classificação de Médaille d’ Or. Licenciou-se também em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa. No âmbito do Mestrado em Música da Universidade de Aveiro trabalhou com o professor Vincent David (Conservatório de Versailles). Trabalhou em regime de master-class com Daniel Deffayet, Claude Delangle, René Découais e com o Quarteto Rascher.
Foi o primeiro saxofonista português a obter Doutoramento em Música (ramo de Performance). É professor adjunto convidado na Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco e professor nos conservatórios da Guarda, Covilhã e Castelo Branco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close