Propinas ajustadas caso instituições não garantam ensino à distância

O pagamento de propinas no Ensino Superior será ajustado caso as instituições não consigam garantir o ensino à distância durante o período de contenção da Covid-19, segundo um projecto-lei do PAN aprovado Quarta-feira no parlamento.
«O valor das propinas representa uma fatia bastante significativa dos rendimentos das famílias», afirmou hoje a deputada Cristina Rodrigues, do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), durante a discussão do diploma da sua bancada que foi aprovado com os votos favoráveis do PS, PAN e da deputada Joacine Katar Moreira.
O diploma defende que as instituições de Ensino Superior (IES) devem assegurar o ensino à distância durante o actual período de contenção da pandemia da covid-19, mas, caso não seja possível, deverão reajustar o valor das propinas.
O Governo, em articulação com as IES, tem até ao final do mês para adaptar «os prazos para pagamento das propinas em conformidade com a evolução da crise sanitária», define o diploma aprovado em sessão plenária. O decreto-lei protege os alunos mais carenciados, acautelando que qualquer ajustamento do valor da propina não prejudicará «os apoios já atribuídos no âmbito da acção social escolar».
O diploma contou com os votos contra do PSD, CDS e PEV e as abstenções do Bloco de Esquerda (BE), Iniciativa Liberal e Chega.
Algumas instituições já avançaram com medidas que visam suspender o pagamento de determinadas prestações: o Instituto Politécnico de Setúbal, por exemplo, prolongou o prazo para pagamento das propinas e a Universidade da Madeira anunciou um período de carência de dois meses para o pagamento.
Também os alunos têm pedido a intervenção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior: a Associação Académica de Coimbra (AAC) endereçou um pedido de suspensão imediata desta prestação e a Federação Académica do Porto enviou uma carta aberta apelando à eliminação dos juros de mora entre outras medidas.
A 24 de Março, dia Nacional do Estudante, a AAC lançou uma petição pública a exigir a suspensão imediata do pagamento das propinas, bem como o reforço extraordinário das bolsas no Ensino Superior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close