Provincianismo

tb_1183

Denominam de província às zonas territoriais longe da capital, geralmente às mais interiores. Chamam de provincianos os seus habitantes com hábitos característicos. Sabemos que a generalização é, felizmente, uma falácia, talvez a maior de todas, e nem todos os que vivem no Interior têm hábitos comuns e pensamento fronteiriço.

Sair é sempre bom para se ver melhor quando se volta, saírmos de nós, empurrarmos barreiras e deixarmos que caiam panos que escondem o mundo. Deixar entrar o outro e não ter medo de crescer, ser humilde para aprender a ser melhor.

Tenho observado muitas atitudes provincianas, não nos habitantes característicos do Interior, mas naqueles que se querem destacar. Confundem evolução com destaque e afundam-se na sua pequenez. Perdem a noção a tentar ganhar a aprovação de quem está em cima. Venera-se qualquer coisa que alumie como que a um Deus Sol, esquecendo-se que toda a luz artificial se paga. Quem lhes ensinará que a luz de dentro se cultiva pelo pensamento solitário, pela humildade da sombra, pelo afeto e partilha, pela ajuda e dádiva, pelo degrau inferior?

Ser provinciano não é viver no Interior, é ser pequeno. E é-se pequeno independente de diplomas, cargos, viagens ou dinheiro. É-se pequeno quando se tenta agradar para se subir ao olhar dos que queremos que nos olhem, é-se pequeno quando se tem que se mostrar aquilo que queremos ser para se tentar ser, é-se pequeno quando tem que se provar existência e proferir “améns” a profetas duvidosos, é-se muito pequeno quando tem que se anular o outro para nos mostrarmos.

Talvez haja provincianos em todos os territórios, mentes provincianas com falta de conteúdo e vontade de evolução. As suas atitudes características revelam-se quando provam um licor que sabe a poder, que até pode ser contrafeito que eles bebê-lo-ão como elixir divino promotedor da eterna juventude e imortalidade. Haja crenças suficientes para as falsas promessas os levarem a orações e os iludirem pelos trilhos silvestres que um dia os irá levar a alcançar o tão prometido paraíso, que viram num panfleto em língua inglesa e, que por isso, é de confiar.

Nas palavras de Álvaro de Campos termino:

Arre, estou farto de semideuses!

Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close