Quando o todo é maior do que a soma das partes*

A Guarda é um local muito interessante, não só pela sua enorme beleza histórica, cultural, paisagística e humana, mas também, porque politicamente, é pródiga em epifenómenos dignos de um filme de Hitchcock ou da famosa série “The Twilight Zone” (também conhecida em Portugal como “A Quinta Dimensão”). E digo isto porque, em certos casos partidários, a política guardense abandona o pragmatismo que lhe é exigido e abraça uma espécie de esoterismo como motor da actividade, assemelhando-se às comunidades californianas dos anos sessenta do século passado, onde existia um conjunto de pequenas seitas, cada uma liderada por um guru com o seu grupo de seguidores, afirmando com toda a convicção que o seu programa doutrinal era melhor e o mais verdadeiro.

Tal como em muitas outras actividades humanas, no nosso sistema eleitoral, designadamente ao nível dos “partidos de poder”, o efeito de escala é muito importante, pois, do ponto de vista psicológico, conduz à galvanização do eleitorado e ao seu efeito multiplicador sobre os indecisos, acrescentando aos votantes tradicionais, um significativo grupo de eleitores flutuantes, que são determinantes para a vitória de uma determinada força partidária. O mesmo se passa dentro de um partido.

Para que isso se verifique, é imprescindível que a sectarização dê lugar à união, o eu se transforme em nós e a visão conjunta seja a soma dos horizontes individuais, tendo por base a consideração por opiniões/visões diferentes, embora aproximadas e obviamente, o respeito pela hierarquia instituída, pois a história tem consistentemente mostrado que a ordem sempre se sobrepõe à anarquia.

O PS da Guarda, que ocupou durante 37 longos e invernosos anos o governo da nossa autarquia, foi vítima do jogo individual e da sua sobranceria sobre a equipa total, contribuindo para que o “D” de Divisionismo, seja o mesmo que encontrou na Derrota. Todos se recordarão da chacina fraterna socialista ocorrida em 2012 e 2013 e que ainda hoje guarda muitos esqueletos nas suas masmorras.

O PSD deverá olhar para a história e perceber que a facilidade com que esta se poderá repetir no seu seio é directamente proporcional à quantidade de “fogo amigo” disparado. Que a árdua luta de 37 anos e o trabalho de inúmeros militantes e simpatizantes não sejam deitados a perder, única e simplesmente, porque no campo da semântica política, o individual julgava jogar melhor do que o colectivo.

Posto isto, quem já percebeu que é da soma de pequenas conquistas que se fará uma grande vitória, foi o Presidente da Câmara, Carlos Chaves Monteiro, uma vez que, ao contratar o ex-Director do Centro Distrital da Guarda da Segurança Social, Jacinto Dias, mata dois coelhos de uma só cajadada. Por um lado, a nível partidário, conquista e aproxima-se de uma significativa base de apoio concelhio, que muito considera e se revê no futuro Chefe de Divisão dos Recursos Humanos da Câmara da Guarda. Por outro, coloca ao dispor da autarquia, o engenho, saber, experiência e profissionalismo reconhecidos de Jacinto Dias, fazendo desta opção uma inegável mais-valia para a organização interna da edilidade. Os guardenses merecem e o concelho precisa.

Aguardemos serenamente o futuro!

*O autor escreve ao abrigo dos antigos critérios ortográficos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close