Quercus alerta para perigos de exploração espanhola de urânio em zona raiana

A associação ambien-talista Quercus alertou esta semana para os perigos para a saúde pública e o ambiente que representa um projeto de exploração de urânio, a céu aberto, na província espanhola de Salamanca, numa zona fronteira com Portugal.
Contaminação de rios, aquíferos, solos e ar com partículas radioativas, além do risco de doenças respiratórias e oncológicas, são alguns dos «sérios perigos» apontados à Lusa por Nuno Sequeira, membro da direção nacional da Quercus – Associação Nacional da Conservação da Natureza.
Face aos riscos, a Quercus entende que o governo português deve pedir esclarecimentos ao congénere espanhol e manifestar a vontade de participar na discussão pública do projeto, uma vez que, adiantou, se trata de três áreas de exploração de urânio a céu aberto, situadas a 20 a 100 quilómetros de Portugal, de localidades dos distritos da Guarda e de Bragança.
Confrontado pela Lusa com o assunto, o Ministério do Ambiente indicou que solicitou uma atualização da informação à Agência Portuguesa do Ambiente.
Populares e ambientalistas de Boada, em Salamanca, pediram na passada Segunda-feira aos portugueses, residentes em zonas fronteiriças próximas, que os ajudem a travar o projecto de exploração de urânio, previsto para o território de Retortillo/Villavieja.
Segundo o secretário da plataforma espanhola Stop Uranio, José Sánchez, é um território «muito próximo» de uma das entradas do Parque Natural do Douro Internacional. O ambientalista disse que «há dois cursos de água que atravessam o território onde vai ser instalada a exploração mineira de urânio, que vão desaguar no rio Douro, junto ao território de Saucelle (Espanha) e Freixo de Espada a Cinta (Bragança), a jusante da barragem espanhola de Saucelle».
Para o dirigente da Quercus Nuno Sequeira, «os impactos negativos são muito grandes», não só para o ambiente e a saúde, mas também para a agricultura e o turismo. «[O projeto] é incompatível com o desenvolvimento do interior de Portugal”, sustentou, assinalando que os resíduos de urânio «são dos mais perigosos».
De acordo com documentos a que a Lusa teve acesso, a instalação mineira conta com Declaração de Impacto Ambiental favorável, aprovada pela Conselharia de Fomento e Meio Ambiente da Junta de Castela e Leão, com data de 8 de Outubro de 2013.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close