Reabertura do troço Pocinho-Barca d’Alva na Linha do Douro rondará os 75ME

O estudo de viabilidade técnica e ambiental da reabertura do troço Pocinho – Barca d’Alva, na Linha do Douro, estima que o projecto ronde os 75 milhões de euros, dos quais 59 milhões serão destinados a obra, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a Câmara Municipal do Peso da Régua, no distrito de Vila Real, adianta que a grupo de trabalho para a reactivação da Linha do Douro até Barca D’Alva se identificou com o estudo de viabilidade para a reabilitação daquele troço ferroviário realizado pela Infraestruturas de Portugal (IP).

Estima-se que a reabilitação daquele troço ronde os 75 milhões de euros, dos quais 59 milhões serão destinados a «obra e o restante a estudos, projectos, fiscalização e estaleiro». Em termos de tempo de percurso, o estudo indica que a reabertura deste troço da Linha do Douro representa um «ganho superior a 30 minutos», quando comparado com a alternativa rodoviária existente.

«A reabertura desde troço da Linha do Douro irá potenciar a coesão territorial, uma vez que será feita a ligação de territórios do litoral ao interior, através de uma linha ferroviária, que faz parte integrante da história, da economia e da vida das populações, a qual acompanha, desde o município de Baião a Barca D’Alva, a única via fluvial navegável, identificada no mapa da rede transeuropeia de transportes», salienta a autarquia, citando a comissão de trabalho.

Ao mesmo tempo, o estudo conclui que a reabertura do troço ferroviário irá «aumentar significativamente a oferta turística da região» e que a economia regional será «influenciada positivamente» com o aumento do fluxo turístico previsto, traduzindo-se numa «dinamização» tanto do comércio, como alojamento local, restauração e, consequentemente, emprego.

O município recorda também que a reabertura do troço irá contribuir de forma positiva para a meta das alterações climáticas, uma vez que a circulação será assegurada por material circulante eléctrico, «não havendo emissões de gases com efeito de estufa».

«A utilização de um modo de transporte mais eficiente, permitirá a transferência de modos de transporte mais poluentes, como é o caso do rodoviário e fluvial, com redução significativa de emissões de ruído e vibrações, o que contribuirá para a qualidade de toda a região», refere, destacando também a valorização do território e usufruto do património e preservação.

«A Linha do Douro, na sua plenitude, permitirá unir áreas de património cultural e natural classificados, nomeadamente o Alto Douro Vinhateiro, o Parque Arqueológico do Vale do Côa e o Parque Natural do Douro Internacional».

A Associação Vale d’Ouro classificou a 6 de Abril como «inqualificável e inexplicável» o atraso na electrificação da Linha do Douro, mostrando-se preocupada com o facto de a empreitada «não possuir» actualmente financiamento em «qualquer quadro comunitário». «Este atraso é inqualificável e começa a ter contornos muito estranhos, a região merece mais respeito e o país merece uma explicação para tantos atrasos», afirmou Luís Almeida, presidente da direcção da Vale d’Ouro, citado em comunicado.

Em Novembro do ano passado, a IP celebrou com a GEG – Gabinete de Estruturas e Geotecnia um contrato de aquisição de serviços para a realização para o estudo da “viabilidade de reabilitação da ligação ferroviária Pocinho – Barca d’Alva”, no valor de 174,9 mil euros mais IVA.

No dia 21 de maio do ano passado, na Régua, foi formalizado o grupo de trabalho para estudar e definir o modelo de reabertura do troço da Linha do Douro entre o Pocinho e Barca d’Alva.

A Linha do Douro desenvolve-se ao longo de 191 quilómetros, de Ermesinde (Porto) a Barca d´Alva (Guarda), estando electrificada até Marco de Canaveses (Porto). O troço ferroviário de 28 quilómetros entre o Pocinho e Barca d’Alva foi encerrado em 1988.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close