Refugiados acolhidos em Gouveia partiram para a Alemanha

Menos de uma semana. Foi este o tempo que uma família síria, constituída por mãe, pai e cinco filhos, se manteve na Reencontro – Associação Social, Educativa e Cultural de Vila Nova de Tazem (Gouveia), uma das duas entidades do distrito da Guarda que constam da lista das que irão receber refugiados.
A situação não é de todo invulgar em Portugal. Dados de Dezembro último apontam que cerca de 20 por cento dos refugiados acolhi-dos acabaram por sair, a maioria para a Alemanha. Foi precisamente este país o escolhido pela família síria, chegada a Vila Nova de Tazem a 24 de Janeiro, a primeira a ser acolhida por aquela instituição.
«Eles tinham dito que teriam que ir a Lisboa tratar de uma situação, mas depois nós confirmámos que na Segunda-feira [30 de Janeiro] eles tinham decidido seguir para a Alemanha», onde têm familiares, revela o directora, Laura Costa, ressalvando que «eles têm autorização para circular livremente no país».
A ideia de que «Portugal é um cais de chegada e um cais de partida» tem vindo a ganhar cada vez mais consistência. «O trabalho no terreno da PAR [Plataforma de Apoio aos Refugiados, que promove o acolhimento de famílias por instituições] já evoluiu na percepção de que realmente muitas vezes uns ficam mas muitos são os que partem», afirma a directora, destacando que «o senhor presidente da República [Marcelo Rebelo de Sousa] também disse que Portugal, como um país de acolhi-mento, deve ter como objectivo dar-lhes as melho-res condições, proporcionar-lhes também alguma calma para eles decidirem o futuro». «Eles não são prisioneiros, têm liberdade para decidir sobre a sua vida», evidencia.
«Eu falei com os colegas da PAR, e na altura ficámos um bocado surpresos neste processo, e o que nos disseram foi que eles passam uma travessia, depois estão meses há espera de saída – esta família estava desde Março na Grécia, sem conseguir perceber porque estava a demorar tanto tempo, porque havia outras famílias que saíram mais rápido – e claro que vão tentando naquele espaço de tempo reorganizar-se, e a partir do momento em que os outros países, nomeadamente a Alemanha, fecha fronteiras, eles passam doutra maneira», justifica Laura Costa. «Sabemos que a Alemanha é um país bastante apelativo para todas as comunidades, e eles decidi-ram seguir em frente», reforça.
O caso causou alguma surpresa porque, garante a dirigente, «foram bem acolhidos e a comunidade foi fantástica, até mesmo por parte daquelas pessoas que na primeira fase estavam com alguma relutância foi extraordinário o acolhi-mento». «Nós assinámos o protocolo mas o projecto foi assumido pela comunidade toda, desde o donativo de bens, roupas, alimentos, ajuda nas obras que foi necessário fazer na casa, foi extraor-dinário», reafirma.
Mediante esta mobiliza-ção da comunidade, «que realmente reconheceu que, se calhar, apesar de ser uma pequenina podia ter um papel importante neste projecto de paz», a Reencontro decidiu comunicar à PAR que se encontra «disponíveis para esta família, porque tem liberdade para regressar ao território, caso assim o entenda, no prazo de um mês, e se ela voltar é acolhida na mesma, se não voltar nós continuamos com o projecto de acolhimento em aberto para outra família que queira estar connosco», conclui Laura Costa.
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close