Regadio da Cova da Beira antecipa campanha

A Associação de Beneficiários do Regadio da Cova da Beira inicia hoje de forma gradual a campanha de rega, antecipando a data em cerca de um mês devido à seca, disse à agência Lusa o presidente de associação, António Gomes. «Começámos hoje mesmo a abrir as bocas de rega para os blocos em que há maior necessidade, sendo que as situações mais críticas estão nos pomares, no cereal e nos prados, que estão sem pinga de água», referiu o presidente desta entidade, que tem sede no Fundão, distrito de Castelo Branco.
A gerir o Regadio da Cova da Beira há vários anos, António Gomes frisa que a situação que se vive nos campos «é mesmo muito preocupante» e assume que nunca esteve tão apreensivo como este ano. «Se não chover em Abril ou Maio, e em abundância, podemos ter pela primeira vez uma situação em que a água pode faltar no nosso regadio”, disse.
Actualmente, o Regadio da Cova da Beira abastece cerca de 3.600 explorações agrícolas, num total de cerca de 6.000 hectares de terreno espalhados pelos concelhos de Belmonte, Penamacor, Fundão e Covilhã, no distrito de Castelo Branco, bem como no concelho do Sabugal, distrito da Guarda.
Em anos considerados «normais» são gastos cerca de 55 a 58 milhões de metros cúbicos, mas, este ano, se não chover entretanto, serão precisos mais e a água que se encontra nas duas principais fontes de abastecimento (barragens da Meimoa e do Sabugal) está longe de poder fazer face às necessidades. «Estamos a começar a regar um mês mais cedo, portanto, vamos gastar mais água e, neste momento, a água que temos ao nosso dispor nas barragens está mesmo à justa. São pouco mais de 60 milhões de metros cúbicos. Ora, normalmente já gastamos isso, como é que vai ser este ano?», sublinhou, assumindo a preocupação.
António Gomes revela ainda que na próxima reunião com os regantes vai apelar a uma gestão eficiente e ao racionamento da água para que esta chegue, pelo menos, até Outubro. «Se a gastamos agora, depois não temos. E se não chover, não sei se, em alguns caso, não será melhor não fazer sementeiras ou optar por ciclos mais curtos», acrescentou.
Sem esconder os receios e destacando que tudo isto também fará aumentar os custos de produção, este responsável mantém a esperança de que chova. «Já tivemos outros anos em que tivemos de antecipar a época e depois choveu, esperamos que este ano isso aconteça e que a chuva ainda venha a tempo de salvar a época», apontou. Para António Gomes, esta situação também vem mostrar que o Regadio a Sul da Gardunha é necessário, mas sempre com a criação de barragens próprias e sem depender das infraestruturas do Regadio da Cova da Beira.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close