Região Centro sem registo de casos de sarampo

última actualização dos números sobre o sarampo indicam que 12 dos 21 casos confirmados em Portugal são de pessoas sem vacina contra a doença, entre os quais dois profissionais de saúde que não estavam vacinados,conforme informou a Direção-Geral da Saúde (DGS). Nove dos casos são profissionais de saúde, entre estes dois sem registo de vacinação. Dos 21 casos confirmados, 13 ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, sete na região do Algarve e um caso na região Norte. A maioria dos casos ocorreu em adultos com idade superior a 20 anos (13 casos), quatro em crianças com idade inferior a um ano e três casos no grupo etário entre um e quatro anos.
Os dados confirmam que na região Centro ainda não foi registado qualquer caso de sarampo. A Unidade Local de Saúde da Guarda confirma que não há ocorrências e remete esclarecimentos sobre este assunto para a DGS.
Na internet está a decorrer uma petição a defender a vacinação obrigatória, tendo já sido reccolhidas mais de 1.100 assinaturas. No texto da petição, que aparece no topo da lista das últimas petições criadas no “site” Petição Pública, os signatários defendem que «é cada vez mais importante alertar as pessoas para a necessidade de vacinar as crianças», depois de ter sido conhecida em Portugal a primeira morte por sarampo, de uma jovem de 17 anos que não estava vacinada. «Por uma questão de saúde pública, não queremos que exista um retrocesso civilizacional no que à evolução médica diz respeito», recordam os signatários da petição, que até às 08:25 tinha recolhido 1.122 assinaturas, algumas de médicos e outros profissionais de saúde.
Para defender a obrigatoriedade das vacinas incluídas no Programa Nacional de Vacinação, os signatários lembram que «estas mesmas crianças não vacinadas (…) podem ser foco de infecção para quem tem um sistema imunitário fraco ou para quem não pode ser, de todo, vacinado» e reconhecem que «muitos dos casos que agora surgem de doenças para as quais já há vacinas não se prendem, directamente, com os movimentos antivacinação». «Porque não queremos voltar a temer doenças como a tuberculose, o sarampo, a escarlatina ou a tosse convulsa (…), vimos pedir que seja pensada a obrigatoriedade da vacinação de todas as crianças – e apenas das vacinas que constam do Plano Nacional de Vacinação, que sabemos ser um dos mais robustos da Europa», defende a petição.
Depois da morte da jovem de 17 anos, a DGS aconselhou as escolas a afastarem dos estabelecimentos de ensino por um período de 21 dias qualquer membro da comunidade escolar que, depois de exposto ao vírus do sarampo, recuse ser vacinado. «Os delegados de saúde verificam a existência de contacto com um doente em fase de contágio e sugerem, quando indicada, a vacinação. Nestes casos, e perante a recusa da vacinação de qualquer membro da comunidade escolar, em situação de pós-exposição, aconselha-se a não frequência da instituição durante 21 dias após o contacto», refere uma orientação da DGS.
Esta orientação surgiu depois de os directores das escolas públicas terem pedido que a DGS emitisse para os estabelecimentos de ensino uma circular para tranquilizar os ânimos relativamente às vacinas dos alunos, sobretudo por causa do sarampo.
Referindo que a imunidade de grupo protege toda a comunidade, incluindo «as poucas crianças que, por circunstâncias específicas, não estão vacinadas», a orientação às escolas sublinha, ainda assim, que é «importante que todas as crianças sejam vacinadas, para benefício próprio e da população em geral».
Apesar de recomendar um afastamento temporário nas escolas, no caso de recusa de vacinação pós-exposição ao vírus, a DGS insiste que «não há razões para temer uma epidemia de grande magnitude, uma vez que a larga maioria das pessoas está protegida».
O sarampo é uma doença altamente contagiosa, geralmente benigna mas que pode desencadear complicações e até ser fatal. Pode ser prevenida pela vacinação, que em Portugal é gratuita.
Pelo menos 14 países europeus têm registado surtos de sarampo desde o início deste ano, com a Roménia a liderar o número de casos, com mais de quatro mil doentes em seis meses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close