Secretariado da Federação do PS da Guarda demitiu-se em bloco

O secretariado da Federação Distrital do Partido Socialista da Guarda seguiu as pisadas de Pedro Fonseca (que era líder distrital) e demitiu-se hoje em bloco por discordar da forma como a direcção nacional do partido geriu o processo de escolha dos candidatos às eleições legislativas. O vice-presidente demissionário da Federação Socialista da Guarda, José Luís Cabral, disse à agência Lusa que a demissão dos 15 elementos do secretariado ocorreu porque aquele órgão “não foi auscultado” para a elaboração da lista de candidatos pelo distrito, que foi aprovada pela direcção nacional do partido. “Entendemos que o secretariado [da Federação Distrital] não reúne condições para continuar o seu trabalho de forma profícua e transparente”, disse o responsável.
A demissão dos 15 elementos foi hoje comunicada ao secretário-geral do PS, António Costa, e à secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes. Segundo José Luís Cabral, os socialistas da Guarda pretendiam ser ouvidos no processo, logo que a primeira proposta de candidatos foi chumbada pela Comissão Política Distrital – o que levou à demissão do então presidente da Federação, Pedro Fonseca, -, e o processo passou para a direcção nacional.
“O que estaríamos à espera, depois de Lisboa fazer a lista, era termos sido ouvidos, no sentido de nos pronunciarmos relativamente a uma lista de consenso, coisa que não aconteceu. No fundo, a Guarda acaba por ter um conjunto de nomes numa lista, sem que a Federação e mais concretamente o secretariado, ainda em funções, tenha sido ouvido”, disse à Lusa.
O responsável explicou que a direcção nacional do PS “impôs seis nomes” para a lista que vai concorrer pelo distrito “sem ouvir o secretariado, o que é intolerável”.
“Nós representamos o PS no distrito e, no mínimo, devíamos ser ouvidos”, alega, referindo que o secretariado distrital considera que “houve uma excessiva intervenção da direcção do partido na composição da lista de candidatos a deputados pelo círculo eleitoral da Guarda”.
Referiu que os socialistas que fazem parte do secretariado distrital, como não foram “ouvidos nem contactados”, demitiram-se porque entendem “não estarem reunidas as condições” para darem continuidade ao trabalho que pretendiam desenvolver.
José Luís Cabral contou que aquele órgão sempre esteve disponível para o diálogo, tendo enviado, na segunda-feira, mensagens para o secretário-geral e para a secretária-geral adjunta do PS, a alertar para a situação e “apelando ao diálogo”, sem resposta “até ao dia de hoje”.
A lista candidata pela Guarda às eleições legislativas é encabeçada pela secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, seguindo-se o deputado Santinho Pacheco, Cristina Sousa, Fábio Pinto, Marisa Fonseca e Rita Mendes.
“Não temos nada contra as pessoas [que fazem parte da lista socialista]. Temos é contra a maneira como decorreu o processo e como foi tratado, porque não fomos tidos nem achados”, disse o vice-presidente demissionário da Federação Socialista da Guarda.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close