Secretário de Estado prometeu que haverá novidades «dentro de 15 dias ou tres semanas» sobre o novo quartel para os Bombeiros de Famalicão da Serra

A sede dos Bombeiros de Famalicão da Serra não tem condições e aguarda-se que seja dada luz verde ao financiamento comuni-tário para a construção de um novo quartel. A candidatura ao Portugal 2020 já foi feita mas ainda não foi aprovada. O assunto foi novamente lembrado no Domingo na sessão de abertura das Jornadas que assinalaram o 10º Aniversário do Incêndio de Famalicão da Serra, em que faleceram seis homens. O secretário de Estado da Adminis-tração Interna, Jorge Gomes, que presidiu à sessão deixou a garantia de que se empenhará para resolver a situação e pediu mesmo que lhe dessem o «benefício de acreditar» nele.

Os bombeiros voluntários de Famalicão da Serra, na Guarda, continuam a ocupar um edifício sem condições e aguardam por financiamento comunitário para poderem construir um novo quartel. Isto mesmo foi evidenciado na sessão de abertura das jornadas que assinalaram o 10º aniversário do incêndio de Famalicão da Serra, em que faleceram o bombeiro Sérgio Rocha e cinco sapadores chilenos: Sergio Navarro, Fabián Millán, Bernabé Ancan, Juan Bravo e Henry Polanco.
O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, que presidiu à sessão deixou a garantia de que se empenhará para resolver a situação e pediu mesmo que lhe dessem o «benefício de acreditar» nele. «Esperem mais quinze dias ou três semanas e falaremos. É só isso. A memória destes homens merece aquilo que vocês desejam», afirmou aquele membro do Governo, salientando que quer «resolver esse problema». «Acreditem em mim só um pouco e acho que todos ficaremos satisfeitos com as soluções que aí vêm», assegurou.
A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Famalicão da Serra, com um corpo activo de 56 elementos, foi criada em 3 de Julho de 2007, sucedendo à Secção Destacada dos Bombeiros de Gonçalo, que também ocupava as actuais instalações.
Segundo o presidente da direção, António Fontes, o actual quartel «não tem condições operacionais». «É impossível [a corporação] funcionar com 56 homens numa sub-cave onde não existe entrada de ar, nem de luz, que não tem janelas e os carros ficam estacionados ao longo de ruas», relatou. Os “soldados da paz” continuam a ocupar um espaço «em que o gabinete da direcção é também o gabinete do comando e a camarata feminina», exemplificou.
«Já submetemos uma candidatura ao Portugal 2020 e temos que aguardar pela aprovação ou não. Espero bem que [a candidatura] seja aprovada, porque andamos há já quatro anos na luta pela construção do novo quartel», referiu à Lusa António Fontes.
O comandante dos bombeiros, Hugo Rocha, – irmão do voluntário Sérgio Rocha falecido no incêndio de 2006 – comunga das preocupações da direcção relativamente ao quartel. Hugo Rocha disse à Lusa que os elementos do corpo activo aguardam, «com toda a sua boa vontade e sacrifício, por novas condições para desempenharem melhor as suas funções». «Se fossem outros elementos, com as más condições que temos, já tinham desistido, situação que aqui não acontece», rematou.
A direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Famalicão da Serra reconhece que a construção do novo quartel, orçado em cerca de 650 mil euros, é «uma necessidade». «Neste momento falta que a Unidade de Gestão do Portugal 2020 nos aprove a candidatura para avançarmos com a obra», disse António Fontes, indicando que a Câmara Municipal da Guarda irá apoiar a componente nacional e a associação suportará o resto da verba necessária.
O terreno já existe e o projecto está aprovado. «É só uma questão de se aguardar pela análise das candidaturas e ver o que nos vai calhar», concluiu.
Em 2013 a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Famalicão da Serra apresentou uma candidatura para obter apoio financeiro para construção do quartel, mas não foi aprovada pela Estrutura de Missão para a Gestão dos Fundos Comunitários, alegando que «à data da submissão da candidatura o concurso já devia estar entregue ao empreiteiro».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close