Secretário de Estado quer reabrir a Pousada de Juventude da Guarda

SONY DSC

Até ao final do ano deverá haver uma solução para a reabertura da Pousada de Juventude da Guarda, encerrada há quatro anos, assim como a revitalização do espaço do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). «Vamos procurar não só devolver a Pousada de Juventude à Guarda como também encontrar uma solução para todas as infraestruturas do IPDJ, que não estão a ter a utilização que antes tinham», garantiu, na passada Segunda-feira, o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, no decorrer do encontro que manteve com as associações juvenis do distrito. Aquele membro do Governo deu também a certeza de que, «com este Governo, não haverá mais concessões de pousadas de juventude a privados».
Concretamente em relação ao equipamento da Guarda, o secretário de Estado adiantou que, neste momento, o que há é «um não fechar de portas» a qualquer solução que venha a surgir entre o Governo, Movijovem (empresa que gere aqueles espaços), a Câmara Municipal e a Federação Nacional das Associações Juvenis (FNAJ). João Paulo Rebelo esclarece que a solução que for encontrada poderá não ter que envolver todas aquelas entidades, salientando que o Governo pretende desafiar a FNAJ e o Conselho Nacional da Juventude a participar no capital social da Movijovem, que actualmente é detido pelo IPDJ (80%) e pela Associação dos Utentes das Pousadas (20%).
A falta de condições dos edifícios foi o argumento apresentado, em 2012 pelo governo de então, para fechar as pousadas de juventude da Guarda, Vila Real, Leiria, Portalegre e Setúbal. O então presidente da comissão liquidatária da Movijovem (empresa que gere a rede de pousadas), João Bibe, garantiu que o critério financeiro não foi o mais importante na decisão de encerramento.
A Pousada de Juventude da Guarda, que encerrou em Fevereiro de 2012, teve «resultados negativos desde 2004 da ordem dos 20 a 25 mil euros anuais», o que, neste seis anos, totalizou cerca de 150 mil euros. A informação foi prestada ao TB por João Bibe, então presidente da comissão liquidatária da Movijovem, nomeada no dia 25 de Outubro de 2011.
A notícia do encerramento da Pousada foi avançada pelo TB em Janeiro de 2012, tendo o então vice-presidente da Câmara da Guarda, Virgílio Bento, afirmado que ainda tentou com que fosse encontrada uma solução, mas que de nada valeu a tentativa.
O edifício onde está a Pousada de Juventude da Guarda, que engloba também a Loja Ponto Já do Instituto Português do Desporto e da Juventude, foi inaugurado no dia 15 de Dezembro de 1990 por Couto dos Santos, então ministro Adjunto e da Juventude. O espaço dispõe de 16 quartos com capacidade total de 52 camas. As condições daquela pousada foram consideradas insuficientes.
Em Outubro de 2014, o então secretário de Estado afirmou que em, cima da mesa estavam várias hipóteses como a adaptação do edifício para a esquadra da PSP, a instalação da Loja do Cidadão ou até mesmo a reabertura da Pousada da Juventude. Emídio Guerreiro explicou que estava a ser feita uma avaliação para a possibilidade do edifício acolher a esquadra da PSP e que se fosse entendimento dos vários ministérios que essa era uma «solução descartável» voltaria a estar em cima da mesa a questão da reabertura da Pousada. Mas se fosse essa a opção, o então secretário de Estado sustentava que seria necessário encontrar «parceiros que sejam capazes de viabilizar economicamente a Pousada».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close