Seia cria centro de interpretação dedicado ao republicano Afonso Costa

A Câmara Municipal de Seia vai investir cerca de 300 mil euros na criação de um centro de interpretação dedicado ao republicano Afonso Costa. O projecto do Centro Interpretativo Re-pública – Afonso Costa, apresentado publicamente há uma semana naquela cidade, vai ser executado no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da cidade de Seia e deverá abrir em 2018.
O equipamento dedicado ao estadista português e político republicano, que era natural daquele concelho do distrito da Guarda, ficará instalado no edifício da escola primária que tem o seu nome, que vai ser recuperado e adaptado às novas funções.
Com o projecto, a autarquia de Seia não pretende fazer «uma nova releitura daquilo que foi a história» relativamente a Afonso Costa, esclarece o presidente, Carlos Filipe Camelo. «O que nós queremos é que o centro de interpretação seja, na verdade, também um centro de investigação, que leve por diante questões não só correlacionadas com Afonso Costa, mas também com aquilo que é o pensamento em torno da própria República», disse o autarca à agência Lusa.
A autarquia irá envolver no processo a Fundação Mário Soares, o Museu Bernardino Machado, de Vila Nova de Famalicão, a família de Afonso Costa e inves-tigadores.
O futuro centro será «uma estrutura cultural especi-alizada que prevê a instalação dos serviços de museu, arquivo, biblioteca, centro de estudos e investigação», pretendendo criar «as melhores condições para dinamizar o estudo, a conservação e a divulgação do património histórico-cultural associado a Afonso Costa e à República», segundo a autarquia de Seia.
O Centro Interpretativo República – Afonso Costa integrará um espaço expositivo e interpretativo, um arquivo e um repositório físico e digital, um centro de estudos e de investigação e promoverá serviços educativos e actividades culturais e científicas.
Com este projecto o município pretende «fazer justiça ao legado de Afonso Costa na história de Portugal e do mundo».
«Seia deve valorizar e potenciar a história de um dos seus filhos mais notáveis que marcou o seu tempo, nacional e internacionalmente», sublinha a autarquia, admi-tindo que «contando esta história pode atrair mais visitantes e dinamizar a economia local ao mesmo tempo que promove o conhecimento e a formação cidadã».
O autarca Carlos Filipe Camelo disse à Lusa que Afonso Costa, que nasceu em Seia a 6 de Março de 1871 e faleceu em Paris, França, a 11 de Maio de 1937, foi um homem «com uma capacidade acima da média» e um exemplo para o país.
Afonso Costa, que também foi advogado, académico e diplomata, foi «uma das mais eminentes personalidades da vida portuguesa do primeiro quartel do século XX», segundo a Câmara Municipal de Seia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close