Sindicatos de Castelo Branco exigem redução do preço dos passes sociais em Janeiro

sdr

A União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB) exige à Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) a redução dos preços dos passes sociais em todo o território a partir de Janeiro de 2021.

Num ofício enviado ao presidente da CIM-BSE a que o TB teve acesso, o coordenador da USCB, Sérgio Santos, pede uma «informação clara, concreta e atempada» sobre aquilo que a comunidade intermunicipal está a pensar fazer ao valor dos passes em Janeiro de 2021. «[…] Nós exigimos que já neste mês [Janeiro] o preço dos passes deve ser reduzido às populações de todo o território e não apenas nos transportes urbanos, incluindo nas ligações entre concelhos e, caso o não façam neste mês, deve ficar muito claro que a redução deve ter efeitos retroactivos a Janeiro e devem encontrar uma forma de devolver o dinheiro pago a mais entre Setembro e Dezembro de 2020», lê-se no documento.

Em Novembro, os sindicatos entregaram à CIM-BSE, um abaixo-assinado com cerca de 2.000 assinaturas recolhidas junto das populações da Covilhã, Fundão, Belmonte e Guarda, onde exigem a reposição dos apoios à mobilidade, através da redução do preço dos passes sociais nos transportes públicos rodoviários em todo o território das Beiras e Serra da Estrela.

Desde o início de Setembro que a CIM-BSE limita o apoio à aquisição de passes de transporte. Segundo as novas regras, o apoio a conceder «será de 50% do preço, mas limitado a pessoas em situação de carência económica que terá de ser comprovada pela Câmara Municipal da residência».

Até essa altura, a CIM-BSE apoiava em 40% do seu preço a aquisição de passes normais e, em 60%, nos casos em que o adquirente tivesse mais de 65 anos ou menos de 23.

As mudanças foram decididas pelo conselho intermunicipal da CIM-BSE, no âmbito do Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART), «no contexto criado pelas medidas restritivas de circulação adoptadas no combate à pandemia de covid-19» e que «provocou défices acentuados no sector de transportes públicos de passageiros».

No ofício agora enviado, os sindicatos afirmam que »a CIM-BSE tirou aos pobres para dar aos ricos». Adiantam que, na altura da entrega do abaixo-assinado, informaram que iam contactar os grupos parlamentares para, em sede de discussão do Orçamento de Estado (OE) na especialidade, se aprovar o reforço de verbas do PART, o que foi conseguido, uma vez que na discussão na especialidade do OE para 2021 e na votação final do mesmo, a Assembleia da República aprovou o reforço de verbas para o Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART)».

Posto isto, os sindicatos entendem que «não há mais desculpas» e sublinham que a partir de 1 de Janeiro, «a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela deixa de poder argumentar com a falta de dinheiro, e em consequência, deve proceder à redução do preço dos passes e à reposição dos valores que indevidamente fez pagar aos utentes».

«Assim, deixamos bem expresso que não vamos permitir mais distorções e ou atropelos ao princípio fundador do PART já que os apoios financeiros do Estado para a redução tarifária se destinam a apoiar os utentes», sustentam.

A USCB alerta ainda que vai continuar esta luta, durante o tempo que for necessário, «até que seja reposta a justiça que é devida às populações e trabalhadores». «Esta batalha vai ser ganha custe o que custar e dure o tempo que durar», conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close