Só metade dos doentes de AVC é que são admitidos nos hospitais através da Via Verde

Assinala-se esta Quinta-feira o Dia Naciona ldo Doente de AVC (Aci-dente Vascular Cere-bral). Esta patologia é das principais causas de morte em Portugal. Recentemente, a Unidade Local de Saúde da Guarda aderiu à Via Verde de AVC regional, centralizada em Coimbra, permitindo melhorar as condições de tratamento dos doentes. Mas ainda há falta de informação e mais de metade dos doentes não chegam aos hospitais através da Via Verde, canal que pode agilizar o acesso ao tratamento.

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) já encaminhou este ano através da Via Verde AVC (Acidente Vascular Cerebral) seis doentes do distrito da Guarda, conforme consta das estatísticas daquele organismo. E no ano passado o INEM referenciou 43 vítimas. Só que as estatísticas demonstram que menos de metade dos doentes admitidos nas Unidades de AVC é que são encaminhados através da Via Verde. De acordo com a Direcção Geral de Saúde a média dos últimos três anos aponta para que apenas 43 por cento sejam encaminhados através da Via Verde.
Recorde-se que a Unidade Local de Saúde da Guarda aderiu recentemente à Via Verde AVC regional centralizada no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC). Com a adesão da ULS da Guarda ficou fechada a rede que inclui os sete hospitais da região Centro ligados ao CHUC.
Com esta rede «todos os doentes da região Centro passaram a poder beneficiar das mesmas condições de tratamento do que os doentes de Coimbra ou de outra grande cidade», assegurou o presidente do Conselho de Administração do CHUC, Martins Nunes quando foram assinados protocolos de cooperação entre aquela unidade de saúde e a ULS da Guarda. O projecto compreende a teleconsulta, através da qual «se consegue fazer um bom exame ao doente percebendo os danos do AVC», esclareceu Gustavo Cordeiro do Serviço de Neurologia do CHUC. O doente só será transportado para Coimbra quando a situação clínica o justificar. Em cada 10 doentes, cinco não serão transportados. O médico sublinha que o método permite poupar custos, recursos, dá maior comodidade ao doente e retira pressão aos hospitais centrais. De acordo com o protocolo definido, o transporte dos doentes dos hospitais do litoral deverá ser feito por ambulância e no caso dos hospitais do interior está previsto também o helitransporte.

Ligar o 112 é o passo certo
A coordenadora do Núcleo de Estudos da Doença Vascular Cerebral da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, Maria Teresa Cardoso, defende que «impõem-se planos de reestruturação da urgência e das redes de referenciação do AVC» e «uma actualização das condições de funcionamento das unidades de AVC e da respectiva hierarquização para efeitos de referenciação, para que o doente certo vá para o centro certo». «De facto está a começar uma nova era no tratamento do AVC agudo e para o maior número de doentes beneficiar dela, é preciso encurtar o tempo desde o início dos sintomas até à realização da terapêutica de reperfusão. Reconhecer o AVC e ligar o 112 é o passo certo nesse sentido», observa a internista.
O relatório da Direcção Geral de Saúde relativo a 2013 mostra que embora o número tenha vindo a diminuir, morreram mais de 30 pessoas por dia devido a doenças cerebrovasculares. Em 2013 morreram 11751 pessoas, 1773 das quais por AVC hemorrágico e 6099 por AVC isquémico, o que traduz uma «diminuição de 1269 mortes comparativamente a 2012, ano em que a mortalidade total por doenças cerebrovasculares se cifrou em 13020 casos», mantendo-se no entanto acima da média europeia. Nos últimos anos ocorreu uma redução expressiva do número de óbitos por doença vascular cerebral em Portugal. Também a mortalidade intrahospitalar por AVC isquémico tem vindo a diminuir, apesar de cada vez se morrer mais no hospital e menos no domicílio.

Elisabete Gonçalves
elisagoncalves.terrasdabeira@gmpress.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close