Transumância promove a biodiversidade e previne o risco de incêndios

A transumância é «um excelente contributo para a promoção da biodiversidade». «As ovelhas sobem e vão alimentar-se do cervum da serra da Estrela e é este ciclo natural da pastorícia de alta montanha que efectivamente é um excelente contributo para a regeneração das plantas, dos habitats, neste caso dos cervunais [prados de altitude dominados pelo cervum, planta herbácea adaptada ao frio, que cresce em solos profundos, pobres e ácidos e que constitui o principal alimento do gado nos meses de Verão]», explica Célia Gonçalves, coordenadora técnica da Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede de Aldeias de Montanha (ADIRAM), com sede em Seia.
Excelente contributo para a promoção da biodiversidade é também «toda a pastorícia», sendo igualmente impor-tante o papel que estes rebanhos desempenham no controlo do crescimento da vegetação, minimizando assim o risco de incêndio.
Mas o número de pastores é cada vez menor, e entre os poucos que ainda existem são raros os que ainda praticam esta deslocação periódica de gado ovino.
Seia é uma excepção. «A transumância é uma actividade real, nada tem aqui de recriação», afirma Célia Gonçalves, referindo-se concretamente às restantes iniciativas que constam da Grande Rota da Tran-sumância, promovida pela Gardunha XXI. «Nos outros locais será recriação, aqui não é recriação», repete, acreditando ser «esta autenticidade que de facto também atrai os parti-cipantes» à Subida dos Rebanhos à Serra, realizada no primeiro dia deste mês naquela cidade.
A Festa da Transumância e dos Pastores teve início duas semanas antes, a 25 de Junho, com a Benção dos Rebanhos na festa de São João, em Folgosa da Madalena, aldeia daquele concelho. É que os rebanhos, explica Célia Gonçalves, só sobem à serra depois de devidamente benzidos, isto é, após darem um conjunto de voltas à capela de São João Baptista, que é o padroeiro dos pastores. E este ano participaram 12 rebanhos, a maior participação de sempre nas quatro edições da Festa da Transumância e dos Pastores, promovida pela ADIRAM.

Há «muitos pastores» que continuam
a subir à serra
Nesta edição foram também «muito mais» as ovelhas que subiram à serra em busca de melhores pastos. «A situação de seca digamos que acelerou um pouco, convenceu alguns dos pastores que ainda estavam em dúvida a participar. Se tivéssemos tido um Abril ou Maio muito chuvoso ainda teríamos alguns campos em boas circunstâncias, o que não acontece neste momento», justifica a coordenadora técnica a necessidade desta deslocação.
Em termos concretos, «subiram três pastores, que vão ficar na serra durante os meses de Verão, muito provavelmente, depende muito das circunstâncias do tempo, até final de Agosto. Há um dia em que, por alguma fé dos pastores, que é de São Bartolomeu [24 de Agosto], muitos regressam para baixo». «Estamos a falar de três proprietários de rebanhos, mas depois vão muitos outros pastores que vão ajudar em toda a condução de rebanhos. Houve um pastor que levou 600 ovelhas», refere.
«Chegámos a uma aldeia em que um rebanho que vinha de uma outra aldeia se juntou, porque há pastores que pagam a outros pastores para levarem também os seus rebanhos. Só connosco seguiram 800 a 850 cabeças de gado, mas eu sei que no dia a seguir houve outro senhor, que também sobe todos os anos mas que prefere ir sozinho, à noite, com esposa, que subiu. Ou seja, há muitos que continuam a subir», acrescenta Célia Gonçalves.
«Não há nenhuma encenação», reforça, recordando que os pastores convidam os portugueses a serem pastores por um dia e a subir com os rebanhos, porque os rebanhos estão lá, as pessoas desceram, nós só fomos até ao Sabugueiro, e eles continuaram. Ao convite responderam quase 200 pessoas. «Dos 198 participantes, tivemos 31 franceses, dois suecos, e um grupo de 68 pessoas, universitários espanhóis e brasileiros». Números que deixam a organização bastante orgulhosa na iniciativa.
«Eu acho que é uma extraordinária homenagem que nós fazemos aos pastores, sem dúvida», conclui a coordenadora técnica da ADIRAM.
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close