Três das quatro vítimas mortais do acidente são oriundas de Vila Nova de Foz Coa

Três das quatro vítimas mortais do acidente ocorrido na madrugada de Domingo, em França, são oriundas de Vila Nova de Foz Coa. A confirmação foi dada ao jornal Terras da Beira por Gustavo Duarte, presidente da Câmara de Vila Nova de Foz Côa, adiantando que, entre as vítimas, há um casal de Freixo de Numão e uma mulher de Muxagata. O autarca disse ainda que a maioria dos passageiros que seguiam no autocarro são daquele concelho e os restantes de Penafiel. A quarta vítima mortal é de Lousada, de acordo com informação confirmada pela autarquia local.
No autocarro, pertencente à empresa “Rota das Gravuras” (com sede no concelho de Vila Nova de Foz Côa), seguiam 32 passageiros, quatro dos quais morreram, três estão hospitalizade e dos restantes 25, 15 já seguiram viagem para a Suíça.
O autocarro partiu de Portugal a caminho da Suíça e despistou-se na Estrada Nacional 79, na direcção Mâcon-Moulins, num troço da RCEA (Estrada Centro Europa e Atlântico), conhecida por ser uma estrada perigosa. «O destino era Genebra e estariam a 230 quilómetros do destino final», disse à Lusa o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, adiantando que o acidente terá tido como «causa mais provável» o gelo, por se tratar de um despiste, mas ressalvando a necessidade de aguardar pela realização do inquérito.
O proprietário da empresa ‘Rota das Gravuras’, responsável pelo transporte, afirmou aos jornalistas que os passageiros são emigrantes e pessoas de férias que regressavam depois de terem estado em Portugal em visita às famílias. A bordo seguia um grupo de 13 pessoas do concelho de Penafiel, distrito do Porto, sendo as restantes de localidades do concelho de Vila Nova de Foz Côa.
Narciso Ângelo contou que já falou com o filho, um dos dois motoristas que seguia no autocarro e que se encontra a realizar exames médicos, o qual lhe disse que a causa do despiste terá sido «o gelo que estava de madrugada na estrada», acrescentando que o acidente ocorreu quando o veículo atravessava uma ponte. O proprietário da empresa do autocarro revelou, ainda, que a bordo «seguiam, pelo menos, três a quatro crianças» com cerca de 10 anos.
O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, visitou, na Segunda-feira, vários portugueses feridos no despiste para prestar solidariedade e fornecer contactos para futuras diligências e trasladação dos corpos. «Já efectuei uma visita a vários feridos, feridos esses que estão em observação e em fase de recuperação», disse à agência Lusa o secretário de Estado, adiantando que deixou, quer aos feridos, quer às autoridades hospitalares o contacto do serviço consular para o apoio a todas as diligências que sejam necessárias.
Em declarações à Lusa, José Luís Carneiro, que está em Lyon, França, desde Domingo, contou que os passageiros do autocarro que visitou «estão muito conscientes do que se passou». «Transmitiram-me que o autocarro numa curva pouco acentuada começou a derrapar no gelo e que depois foram projectados – a maior parte deles – e foi nessa projecção pelos vidros que houve até o atropelamento de alguns.
Estão muito conscientes e profundamente tristes com o que se passou, mas ao mesmo tempo com vontade de voltar às suas terras de origem e à Suíça onde têm as suas vidas estruturadas», indicou.
O secretário de Estado disse também que esteve reunido Segunda-feira de manhã com alguns familiares de uma das vítimas mortais, a quem manifestou toda a disponibilidade e apoio do Governo português. José Luís Carneiro indicou também ter feito contactos com os presidentes da Câmara de Meda e Vila Nova de Foz Côa, distrito da Guarda, autarquias que possuem gabinete de apoio ao emigrante.
No que diz respeito às causas do acidente, José Luís Carneiro disse que “tudo indica que foi o gelo, contudo o inquérito está a decorrer”, aguardando-se pelas conclu-sões.
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte de quatro portugueses num acidente rodoviário em França, expressando «sentidas condolências» às respetivas famílias.
O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa, Gustavo Duarte, assegurou que vai dar todo o apoio necessário às pessoas do concelho envolvidas no acidente de autocarro ocorrido em França.
De acordo com o jornal Le Parisien, trata-se do acidente rodoviário mais grave em França desde março do ano passado, quando, na mesma estrada, 12 portugueses morreram na sequência de um choque frontal entre a carrinha em que seguiam e um veículo pesado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close