Triplicaram os inquéritos abertos por fogo posto

A Polícia Judiciária abriu este ano 683 inquéritos por suspeitas de fogo posto, mais do triplo dos 207 iniciados no mesmo período de 2016. O balanço foi feito à TSF por Rui Almeida, director da PJ do Centro, que admite que entre estes incêndios está, por exemplo, o da semana passada em Alijó que surgiu de madrugada e o de Pedrógão Grande que matou 64 pessoas.
O responsável da PJ adiantou àquela rádio que o enorme aumento de inquéritos abertos em 2017 se deve ao aparecimento de mais casos suspeitos, mas também ao maior número de incêndios que «exponen-ciam as situações de fogo posto».
Dos 683 processos abertos este ano, a directoria do Centro da PJ é a que tem mais em curso (173), seguida de Braga (105), Vila Real (80), a directoria do Norte (61), a directoria de Lisboa (60) e Leiria (45). Destes inquéritos já resultaram 37 detenções de suspeitos com 15 a ficarem em prisão preventiva e dois em prisão domiciliária.
Sobre o caso de Pedrógão Grande, que está em segredo de justiça, aquele responsável adiantou à TSF que, apesar de no início a PJ ter identificado um raio como a origem do incêndio, todas as hipóteses estão em aberto e o caso continua a ser investigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close