ULS da Guarda preenche 25 das 41 vagas para médicos internos

Das 41 vagas que a Unidade Local de Saúde da Guarda tinha para receber recém-licenciados em Medicina no início do novo ano foram ocupadas 25. De acordo com os dados divulgados pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) para 13 dos candidatos a ULS da Guarda foi a primeira opção. Os internos têm de se apresentar nas instituições no dia 2 de Janeiro.

O concurso para a admissão dos recém-licenciados em Medicina ao Ano Comum deter-minou a colocação de 25 internos na Unidade Local de Saúde da Guarda. Havia um total de 41 vagas para a unidade de saúde do distrito. Dos 25 colocados houve 13 que escolheram a Guarda como primeira opção. Os restantes colocaram a ULS da Guarda noutras posições, sendo que cada candidato teria de fazer 25 escolhas. Os novos internos chegam à ULS da Guarda nos primeiros dias de Janeiro. Vão passar pelo menos um ano na instituição, o tempo que dura o Ano Comum, período que segue após a conclusão da licenciatura em Medicina. Depois terão de ingressar na especialidade, também através de um concurso, mas com uma duração de um período de três a seis anos.
Para o conjunto dos três hospitais da região havia 115 vagas para o Ano Comum. A ULS de Castelo Branco tinha 38 e no Centro Hospitalar da Cova da Beira havia 36 vagas. O concurso tinha 2414 vagas em todo o país, o maior número de sempre.
Para o presidente do Conselho de Administração da ULS da Guarda, Carlos Rodrigues, a abertura de mais vagas para os internos é positiva desde que haja uma limitação de lugares noutras zonas do país. O dirigente lembra a dificuldade em conseguir atrair jovens médicos «senão tiverem ligações à cidade». Carlos Rodrigues explica que uma das vantagens para os recém-licenciados escolherem o hospital da Guarda é que «eles podem desenvolver aqui a sua carreira mais facilmente» uma vez que em hospitais de maior dimensão serão «apenas mais um entre muitos».
O número é definido de acordo com o total de alunos de Medicina que acabam o curso em Portugal, mais os pedidos apresentados pelos estudantes que se formaram no estrangeiro.
Mas a Ordem dos Médicos já manifestou alguma preocupação pelo facto de haver um aumento de vagas porque avisa que os jovens não terão vaga para fazer a formação na especialidade daqui a um ano. E alerta também para o facto dos serviços estarem saturados de internos. O bastonário José Manuel Silva disse ao Diário de Notícias que não será possível aumentar o número de vagas na especialidade na mesma proporção. As vagas na especialidade são definidas pela Ordem dos Médicos que atesta a capacidade formativa dos serviços. «Haverá médicos que não poderão especializar-se como já aconteceu nos últimos dois anos», avisa o bastonário. O presidente da secção do Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, diz que «muitos no final do Ano Comum vão ter de sair para o sector privado ou emigrar».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close