Vade Retro 2020

Aproveito de Mafalda Anjos, Directora da revista Visão, o título do seu texto de 24 de Dezembro, Vade Retro 2020.

Na realidade, este ano que está prestes a finar-se, marcou-nos de forma indelével. Numa retrospectiva rápida pelos meses vividos em 2020, particularmente a partir de Março, o novo Coronavírus, o famigerado SARS-COV-2, foi o protagonista do ano. Criador da pandemónica pandemia que tantas vidas já ceifou – a Covid-19 modificou a existência da humanidade. Rapidamente se instalou urbi et orbi um outro vírus terrível e também mortífero, o vírus do medo, gerador de desconfianças generalizadas, as quais, evidentemente, todos os meios de comunicação social divulgaram. Passámos a conhecer várias personalidades que, com muita sobriedade e competência, nos foram elucidando sobre o evoluir da pandemia, dos seus riscos e dos cuidados a ter para evitar indesejáveis contaminações.

Releve-se a importância e o reconhecido mérito do SNS que tem mostrado grande segurança e resiliência no combate a este flagelo.

Como consequência lógica, cientistas, investigadores, médicos e outros profissionais reforçaram esta luta e através dos meios de comunicação, fomos sendo informados dos méritos daqueles que, com denodo, trabalham pelo bem da humanidade, tornando-se os verdadeiros heróis que hoje admiramos. A ciência avança. E num período temporal quase inimaginável, começamos a ver “a luz ao fundo do túnel”. As vacinas chegaram e vieram criar as melhores expectativas.

Consequências nefastas da Covid-19 manifestaram-se praticamente em todos os domínios. Falar de 2020, infelizmente, tem sempre este assunto como tema fulcral, secundarizando outros sectores merecedores de relevo e de divulgação.

A forma como o populismo avançou e que, na prática, resultou, por exemplo numa invulgar coligação do PSD de Rui Rio com o Chega de André Ventura, nos Açores traduz um evidente perigo para nossa democracia. O protagonismo deste cavalheiro aumenta com a sua candidatura à Presidência da República!

Falemos, a propósito, nas eleições ocorridas nos EUA, onde os democratas Joe Biden e Kamala Harris venceram Trump, essa inominável criatura, egocêntrica, sobranceiramente ignorante, ignorância exemplarmente demonstrada na forma como tratou uma figura proeminente deste ano, o Dr. Anthony Fauci, cientista que desempenha um importante papel na luta contra os malefícios da Covid-19.

Politicamente, no nosso país, assistimos às dificuldades com que o Governo se debateu em diversas frentes, quase sempre acossado, à esquerda e à direita, por uma oposição pouco consistente, digo eu. António Costa continua a manter prestígio e importância conferidos por personalidades como Emmanuel Macron, Angela Merkel e Ursula von der Leyon. Boas perspectivas, pois, para 2021, ano em que Portugal assumirá a Presidência do Conselho da União Europeia, entre 1 de Janeiro e 30 de Junho.

Na Cultura, muitos dissabores a pandemia também causou. Vários espectáculos foram cancelados, outros adiados para a posteridade e actrizes, actores e outros artistas muito se ressentiram.

No Desporto, depois de algumas lacunas, as ligas de futebol recomeçaram a pôr em dia o calendário agendado, mas as equipas principais viram orçamentos reduzidos e muitos atletas foram, também eles, contaminados.

Penso que poucos sectores sentiram algum alívio e muitos, repito, encerraram as suas actividades.

Também em 2020 vimos partir grandes personalidades que nos legaram o seu exemplo e a sua obra, contributos que devem merecer o nossos reconhecimento. Destaco, por meu critério, a figura de Eduardo Lourenço, grande ensaísta e insigne pensador que faleceu no dia 1 de Dezembro. Homenageando a sua memória, recordo, também, Tiago Gonçalves e Daniel Vendeiro.

Para 2021, as expectativas são, ao mesmo tempo, muitas e poucas. Poucas, porquê? Basta que seja melhor do que este ano… Muitas, porque queremos acreditar que a vacina vai ser uma realidade mais disseminada e que poderá trazer paz à nossa vida, reduzindo a nossa ansiedade.

Um 2021 que deita Trump borda fora, será mundialmente um enorme alívio. As eleições que vão decorrer no nosso país, primeiro as presidenciais e posteriormente as autárquicas respeitarão, acredito, os valores democráticos, aguardando que os eleitos correspondam às nossas esperanças e expectativas. Desejo que em 2021 sejamos capazes de vencer os desafios a enfrentar, reganhando a confiança num melhor e mais sadio relacionamento humano.

Enfim. Que a nível da nossa cidade e concelho, do nosso país e dos países nossos amigos exista paz, saúde e harmonia.

Guarda, 30 de Dezembro de 2020

António José Dias de Almeida, professor aposentado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close