Vagas para internos em 7 especialidades da ULS da Guarda

A Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda tem a possibilidade de receber internos em sete especialidades, num total de 12 vagas. O processo de escolha, que teve início a 1 de Junho vai decorrer faseadamente até ao próximo dia 20, sendo por isso as vagas preenchidas progressivamente consoante a classificação dos candidatos. A actualização está a ser feita diariamente. Ao início do concurso havia 1676 vagas para unidades de saúde em todo o país.
De acordo com o mapa divulgado pela Administração Central do Sistema de Saúde, na ULS da Guarda havia duas vagas em Medicina Geral e Familiar – uma para a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de S. Miguel e outra para a Unidade de Saúde Familiar A Ribeirinha – uma para Medicina Intensiva, três para Medicina Interna, uma para Pediatria Médica, uma para Pneumologia, uma para Psiquiatria e outra para Saúde Pública. A primeira versão não previa a vaga para Pediatria. Esta viria a ser atribuída numa actualização do mapa. Neste concurso, a ULS da Guarda foi abrangida em mais especialidades do que na última colocação de internos. Após a primeira actualização desta semana do mapa das vagas, feita ao início da manhã de Segunda-feira, ainda estavam disponíveis as 4 vagas em Medicina Geral e Familiar, as 3 para Medicina Interna e as vagas para Pediatria, Pneumologia, Psiquiatria e Saúde Pública. A vaga em Medicina Intensiva foi a primeira a ser escolhida pelos candidatos.
O número de vagas atribuído à ULS da Guarda neste concurso é superior ao último procedimento realizado no final do ano no qual só havia cinco vagas: três em especialidades hospitalares: Medicina Interna, duas em Pneumologia e uma em Psiquiatria e mais duas nas especialidades extra-hospitalares de Medicina Geral e Familiar e em Saúde Pública. Na altura, o número de vagas atribuídas à ULS da Guarda deixou a administração descontente. A ULS da Guarda esperava «pelo menos» que fossem atribuídas vagas em todas as especialidades da instituição com idoneidade formativa «o que não aconteceu», admitiu na altura o director clínico, Gil Barreiros.
As vagas são atribuídas aos serviços que reúnem condições para dar formação. A idoneidade formativa é atestada pelos colégios da Ordem dos Médicos. Todos os anos os serviços informam quantos médicos internos podem receber e a Ordem dos Médicos determina quantos podem estar nesses locais. A escolha dos internos é feita com base na nota de um exame de seriação.
A Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda tem idoneidade formativa em oito valências, mas nem todas têm recebido médicos internos. O dirigente considerou que deveriam ter sido abrangidas outras especialidades com idoneidade formativa, realçando ainda que mesmo nas especialidades em que não capacidade formativa há sempre a possibilidade de serem atribuídas vagas parciais, o que significa que os internos passem uma parte do internato numa instituição e outra parte numa instituição com idoneidade. «Mas nem isso aconteceu», censurou. O médico considerou ainda que «mesmo as duas vagas atribuídas em Medicina Geral e Familiar é pouco», tendo em conta a «capacidade» da ULS que poderia «receber muitos mais» internos. O director clínico da ULS da Guarda defende que neste processo se continua a «privilegiar» as unidades hospitalares do litoral e a ignorar o interior do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close