Vigília pela Amazónia agendada para Sexta-feira no Jardim José de Lemos na Guarda

O núcleo da Guarda da Greve Climática Estudantil agendou para amanhã à noite, a partir das 21 horas, no Jardim José de Lemos uma “Vigília pela Amazónia”. «Vai ser um acto simbólico, onde alguns jovens se juntarão como forma de protesto. Reivindica-se como prioridade para os governos de várias nações uma maior acção pelo clima e pela Natureza, dando um especial destaque aos devastadores incêndios na Amazónia», refere, numa nota dirigida à imprensa, a organização.
A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo, sendo conhecida como o pulmão do planeta e que está a ser atingida por incêndios de grandes proporções:
A Amazónia possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, distribuída por 5,5 milhões de quilómetros quadrados, em territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. A maior parte (60%) da floresta amazónica situa-se no Brasil.
Na Amazónia vivem 10% das espécies de fauna e flora conhecidas, num cenário que constitui a maior colecção de plantas vivas e de espécies animais no mundo: 2,5 milhões de espécies de insectos, dezenas de milhares de plantas e cerca de 2.000 espécies de aves e mamíferos. O jacaré, o jaguar, o puma e a sucuri (cobra) estão entre os maiores predadores. Pelo menos 40.000 espécies de plantas foram classificadas até ao momento, 3.000 de peixes, 428 de anfíbios e 378 répteis.
Nos rios da Amazónia encontram-se cerca de 85% dos peixes da América do Sul. Um quilómetro quadrado de floresta amazónica pode conter 90.790 toneladas métricas de plantas vivas. Estão registadas 438.000 espécies de plantas de interesse económico e social. Outras continuam a ser descobertas ou catalogadas.
A Amazónia assegura 20% da água doce disponível. Produz 20% do oxigénio emitido para a atmosfera terrestre e suporta directamente a vida de 30 milhões de pessoas. A vegetação da Amazónia contém cerca de 10% das reservas de carbono do mundo.
A desflorestação aumentou 278% em Julho, comparativamente ao mesmo mês de 2018, de acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) brasileiro, atingindo 2.254,8 quilómetros quadrados. Milhares de rios atravessam a Amazónia, onde se destaca o Amazonas, um dos mais extensos do mundo, com 6.992,06 quilómetros. Nos nove países que a partilham, a floresta amazónica perdeu mais de 550.000 quilómetros quadrados nos últimos 10 anos.
O Brasil, signatário do Acordo de Paris sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa, comprometeu-se a eliminar até 2030 a desflorestação ilegal na Amazónia e a restaurar 12 milhões de hectares de florestas degradadas.
Dados do INPE indicam que a desflorestação da Amazónia caiu 80% entre 2004 e 2012. Foram derrubados 27.772 quilómetros quadrados da floresta amazónica dentro do território brasileiro em 2004, número que recuou para o valor mínimo histórico de 4.656 km2 em 2012. A maioria da floresta desmatada foi transformada em pastagens, com 70% das terras anteriormente florestadas e 91% das desmatadas desde 1970 a serem usadas para esse fim.
Este ano, mais de 41.000 incêndios foram registados por satélites na região da Amazónia, com mais de metade a ocorrerem no mês de Agosto. O número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano, face ao mesmo período do ano passado, com 72.953 focos registados até 19 de Agosto, sendo a Amazónia a região mais afectada.
Os resultados do Censo Demográfico 2010 apontam para uma população de 25,47 milhões de habitantes nos estados da Amazónia Legal (conceito criado em 1966), o que inclui toda a população do Maranhão e não apenas a parte que reside na Amazónia.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close